taxas abusivas

Como eu posso me prevenir de taxas abusivas?

Posted on Postado em Juros Abusivos

Uma questão que incomoda e preocupa todos os consumidores é a das taxas abusivas. Pouca coisa é considerada pior do que comprar um produto ou fazer um financiamento e sentir-se lesado em razão dos pagamentos excessivos — afinal, eles nos deixam endividados e prejudicam o nosso planejamento financeiro.

Porém, diferentemente do que pode parecer, se você estiver atento na hora de realizar a transação financeira e adotar algumas medidas de precaução, haverá menores riscos de firmar contratos abusivos e de realizar negócios danosos.

Para ajudá-lo com essa questão, listamos algumas dicas. Confira como se prevenir de taxas abusivas:

1. Faça uma ampla pesquisa de mercado

Antes de efetuar uma compra ou realizar um financiamento, faça uma pesquisa cuidadosa de mercado, comparando os preços e as condições de parcelamento.

Lembre-se de que o mesmo produto, de mesma qualidade, pode ter valores diferentes no mercado e, por isso, não há justificativa para pagar mais por ele.

Passe em várias lojas e financeiras, de acordo com cada caso.

Converse, negocie, anote e depois pense com calma. Lembre-se, também, de pesquisar na internet e de inscrever-se em avisos de desconto nos sites.

Sem dúvida, com essa cautela, você reduzirá suas chances de pagar valores altos e desnecessários.

2. Fique atento ao cheque especial

Acredite: o cheque especial só é especial para o banco!

Para você, apesar de parecer uma ótima opção em momentos de dificuldades financeiras, ele pode representar um caminho sem volta.

Antes de utilizá-lo, verifique a taxa de juros cobrada pelo seu banco e compare com a de um empréstimo pré-aprovado, por exemplo.

Faça a opção pela que tiver menor valor, mas, antes disso, tente encontrar maneiras de usar nem um e nem outro.

Quem sabe deixar alguma compra para o próximo mês ou adiar uma viagem? Sem dúvida, o maior beneficiado será você — afinal, juros não voltam para o seu bolso e não podem ser recuperados.

3. Não parcele o cartão de crédito

A maior taxa de juros do mercado é a do parcelamento do cartão de crédito.

Então, antes de entrar nessa, faça como sugerimos anteriormente: confira a taxa de juros do empréstimo pré-aprovado.

Provavelmente ela será menor e, em uma situação de desespero, compensará mais optar pelo empréstimo do que realizar o parcelamento da fatura.

Uma forma de evitar o problema é a seguinte: faça uma planilha e anote todas as suas compras. Acompanhe com frequência e evite gastar mais do que pode pagar.

4. Conheça o custo efetivo total

Ao realizar um empréstimo ou um financiamento, leia atentamente o contrato e descubra o custo efetivo total, ou seja, a soma da taxa de juros, dos encargos e do IOF.

É normal que os funcionários das agências não te informem sobre isso, mas apenas o valor da taxa de juros, alegando ser esta a melhor do mercado.

Então, é preciso perguntar os detalhes e comparar quem oferece a melhor opção.

5. Não considere apenas o valor da parcela

Esse é um dos maiores erros. Financeiras, agências de veículos automotivos e bancos em geral costumam fazer anúncios oferecendo valores fixos em parcelas baixas, que serão pagas por 40, 60 ou 72 meses.

Porém, acredite: se você olhar apenas o valor da parcela, ela caberá no seu bolso.

Acontece que, em longo prazo, com a soma total, é provável que você esteja arcando com o dobro ou o triplo do valor do bem adquirido, ou da quantia inicial disponibilizada na sua conta bancária.

Faça sempre a soma do valor total e reflita se vale a pena ou não.

Alguns gastos são essenciais, é claro, mas outros, com planejamento e controle, poderão ser realizados sem precisar de financiamentos. Então, não tenha pressa.

6. Utilize o Registrato

O Registrato, caso você ainda não conheça, é um extrato de registro de informações que contém todos os seus dados e transações bancárias, e permite que você consulte as taxas de vários bancos antes de negociar empréstimos.

O sistema foi implantado pelo Banco Central, no ano de 2014, e é muito seguro — já que o acesso demanda um nome de usuário e uma senha.

Além disso, convém destacar que o procedimento é realizado por meio eletrônico.

Assim, você nem precisará sair de casa para fazer a sua pesquisa e obter as informações necessárias.

Além do mais, as dúvidas que vierem a surgir poderão ser sanadas no próprio site ou pelo telefone 145. O custo da ligação é o de uma chamada local.

7. Faça uma simulação preliminar das taxas de juros

Antes de fechar um negócio, é importante que você simule a taxa de juros do financiamento e considere tanto o valor mensal como o global.

Essa conta é importante porque o contrato pode trazer uma previsão, mas a soma pode levar a um valor maior. Isso não é raro de acontecer!

Para ter segurança, use a Calculadora do Cidadão, encontrada no site do Banco Central do Brasil e confira. O procedimento é bem simples e completamente seguro.

8. Peça uma revisão judicial das taxas abusivas

Se, mesmo com todas essas precauções, você se sentir lesado ou ficar desconfiado de alguma irregularidade no contrato, ou descobriu que seu contrato possui taxas abusivas, procure um advogado e dê início a uma ação de revisão de juros.

Por meio dela, um juiz analisará todas as cláusulas contatuais e qualquer problema ou abuso será sanado.

Saiba o seguinte: as cláusulas dos contratos de empréstimo e financiamento são cláusulas de adesão; por serem assim, você não tem o poder de discuti-las ou alterá-las — então, o Código de Defesa do Consumidor assegura a proteção dos direitos e a discussão judicial, com o intuito de evitar abusos por parte das empresas, bancos e financeiras.

Vale ainda destacar que, se for comprovada a cobrança abusiva, você terá o direito não apenas ao recalculo das parcelas que ainda forem devidas como também ao ressarcimento em dobro das parcelas que foram pagas com o valor errado.

As taxas abusivas existem e continuarão a existir, contudo, se você estiver atento aos seus direitos e tomar certas precauções ao negociar, certamente terá menos riscos de prejuízos.

Por ser assim, antes de negociar, se informe, converse com advogados e sempre duvide das informações que recebe.

Gostou do texto? Então, assine a nossa newsletter e continue acompanhando as postagens!