Afinal, posso devolver um carro financiado?

Posted on Postado em Dicas e Dúvidas

A ideia de fazer um financiamento pode ser bem sedutora na hora em que precisamos adquirir um veículo. Afinal, como não se convencer de que antecipar o crédito, comprar o que queremos e dividir em parcelas é a melhor opção? O problema é que, às vezes, não é assim!

Muitas pessoas só param para analisar as condições depois que já estão com a dívida, e acabam se arrependendo de ter assumido o financiamento. Ou, pior, podem ficar sem condições de honrar as parcelas até o final.

Aí surgem as perguntas: é possível devolver um carro financiado? E o dinheiro que foi pago, será devolvido? Leia as nossas dicas e veja o que pode ser feito!

O que acontece se o financiamento não for pago?

Quando você atrasa o pagamento das parcelas, passa a fazer parte da lista de inadimplentes do banco ou da financeira. O primeiro passo que eles dão é tentar um acordo para que seja possível quitar as mensalidades atrasadas. Você receberá as famosas, e insistentes, ligações de cobrança.

Provavelmente, vão sugerir que você reorganize o saldo devedor, fazendo um refinanciamento. Para fechar esse acordo, o banco pode pedir novas garantias ou a indicação de um fiador. As novas parcelas serão mais baratas, mas em maior número e com juros maiores.

Independentemente de aceitar ou não a proposta, é essencial que você se comunique e tente um acordo.

Parar de pagar as parcelas e não responder às cobranças do banco pode fazer com que ele entre com o pedido de busca e apreensão para pegar o seu veículo, já que é a garantia do financiamento. Esse recurso só é utilizado em último caso e, se acontecer, você perde o seu bem e todo o dinheiro que pagou até o momento.

Vale a pena refinanciar a dívida?

É necessário analisar essa situação com muito cuidado porque, devido aos juros do financiamento, você já está pagando até duas vezes o valor do veículo. Com essa nova negociação, pagará ainda mais.

Além disso, para decidir se aceita ou não um acordo, você precisa considerar a sua real capacidade de honrar as parcelas. Se algum impedimento financeiro está dificultando que você pague as mensalidades atuais, analise com cuidado se será possível arcar com o novo valor.

Outra opção para quem está precisando rever o valor do financiamento é entrar com uma ação revisional. A função dela é revisar as cláusulas do contrato com o banco, analisando possíveis abusos e tentando reduzir o saldo devedor.

É possível diminuir o valor das prestações e o prazo de pagamento. Para estudar essa possibilidade, procure profissionais especializados nesse tipo de assessoria.

O veículo pode ser devolvido para a financeira?

Se você não conseguiu fechar um bom acordo ou chegou à conclusão de que não pode mais assumir a dívida, é possível devolver um carro financiado de forma amigável. Essa é uma opção que a própria financeira pode oferecer, caso veja que o seu impedimento não é temporário e que você continuará com dificuldades para pagar as parcelas.

Pode ser a melhor solução para quem, de fato, não consegue continuar com o veículo e não quer perder o dinheiro que já pagou e ver a dívida crescer. O acordo é bom para ambos, já que a financeira resgata o veículo e não precisa mais se preocupar com a inadimplência, enquanto o consumidor se livra da dívida.

A negociação deve ser feita diretamente com o banco ou a financeira. Cada caso é avaliado de forma particular, e as condições do acordo vão depender do valor do carro e da dívida que está correndo.

Como devolver um carro financiado?

Quando ambos concordam que a melhor opção é a devolução amigável, o primeiro passo é marcar uma vistoria do veículo.

Um representante do banco analisa o estado do carro e confere se ele está em boas condições de uso. Feito isso, a financeira emitirá uma documentação autorizando o consumidor, que deve ir a um cartório para formalizar o contrato de devolução e transferência.

Há duas modalidades possíveis para esse acordo: a quitação total e a quitação parcial. Na total, a dívida do consumidor é perdoada e ele não precisa se preocupar com as parcelas que estavam em atraso.

Se o carro for devolvido apenas com quitação parcial, ele só se livra das parcelas futuras, mas precisa pagar o que já está em atraso. As condições apresentadas no contrato dependem de como cada banco negocia com os seus clientes.

Quando o financiamento é cancelado e o veículo volta a pertencer ao banco ou financeira, ele vai a leilão. O valor obtido na venda servirá para que o banco quite todas as parcelas do financiamento.

É possível vender o carro e transferir o financiamento?

Se não quiser devolver o veículo para a financeira, outra opção que o proprietário tem é vendê-lo diretamente para outra pessoa ou loja. Fazendo isso, é possível salvar mais dinheiro do que quando o carro vai a leilão, mas não é fácil encontrar pessoas que estejam dispostas a assumir uma dívida.

O ideal é vender o veículo à vista, assim você consegue um valor mais razoável e, com o dinheiro na mão, pode negociar o pagamento com o banco e passar o carro sem dívidas para o novo proprietário. Se não conseguir fazer isso, será preciso diminuir o valor de venda e explicar no anúncio que se trata de um bem alienado.

É importante lembrar que, nesse caso, o comprador interessado terá que passar por uma análise de crédito no banco, que pode autorizar ou não a transferência da dívida. Assim, o processo será aberto como se fosse um novo financiamento. Caso o comprador não tenha como comprovar renda ou tenha o nome negativado, é provável que o pedido seja negado.

Ao assumir compromisso com o banco, ninguém espera que um dia seja preciso devolver um carro financiado, mas os imprevistos acontecem e é importante saber resolver da melhor forma, para evitar problemas ainda maiores. Portanto, siga as nossas dicas e organize a sua vida financeira para conquistar novos sonhos no futuro!

Leia outro post do blog para entender mais sobre a devolução amigável.